Apropriação de créditos de PIS e Cofins na aquisição de insumos recicláveis

Apropriação de créditos de PIS

STF decide pela possibilidade de apropriação de créditos de PIS e Cofins na aquisição de insumos recicláveis.

O STF deu fim ao Tema 304 da Repercussão Geral (RE 607109), julgado presente no informativo 1020, quando a suprema corte declarou inconstitucional o complexo normativo formado pelos arts. 47 e 48 da Lei 11.196/2005 que impedia empresas, submetidas ao regime não cumulativo, de compensarem créditos da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, oriundos da aquisição de desperdícios, resíduos ou aparas de vários materiais. 

O primeiro dispositivo vedava o direito de crédito de PIS/Cofins-NC na aquisição de “desperdícios, resíduos ou aparas de plástico, de papel ou cartão, de vidro, de ferro ou aço, de cobre, de níquel, de alumínio, de chumbo, de zinco e de estanho (…) e demais desperdícios e resíduos metálicos”, enquanto o último suspendia a incidência de PIS/Cofins “no caso de venda de desperdícios, resíduos ou aparas de que trata o artigo 47 desta lei, para pessoa jurídica que apure o imposto de renda com base no lucro real”.

A ratio decidendi (a regra de direito que foi posta como fundamento da decisão) da controvérsia residia no fato de que as empresas que adquirem matéria-prima reciclável não competem em pé de igualdade com as produtoras que utilizam insumos extraídos da natureza, cujo potencial de degradação ambiental é indubitavelmente superior. 

Na visão do contribuinte, o complexo normativo dos artigos citados estabeleciam tratamento tributário mais vantajoso para as empresas que utilizam, em seu processo produtivo, materiais oriundos da indústria extrativista, penalizando, mediante a negação do creditamento, as empresas que utilizam materiais reciclados e, assim, tornando os seus produtos mais onerosos do ponto de vista tributário. 

Por conseguinte, prevaleceu, no supremo, o entendimento de que os dispositivos impugnados ofereciam tratamento tributário prejudicial às cadeias econômicas ecologicamente sustentáveis, desincentivando a manutenção de linhas de produção assentadas em tecnologias limpas e no reaproveitamento de materiais recicláveis. 

A proibição de abatimento de créditos na aquisição de insumos reutilizáveis (art. 47) não é suficientemente compensada pela isenção de PIS/Cofins concedida na etapa anterior da cadeia produtiva (art. 48), resultando em elevação da carga tributária total incidente sobre o processo de reciclagem. As consequências são ainda mais nocivas quando a fornecedora de tais insumos é optante pelo Simples Nacional. 

A lei não prevê isenção tributária para o microempresário ou empresa de pequeno porte e, mesmo assim, proíbe a apuração de créditos pelo adquirente. As normas impugnadas, além de violarem diretamente o princípio da igualdade, uma vez que o critério de distinção é ilegítimo, são incompatíveis com as finalidades que a Constituição Federal almeja em matéria de proteção ao meio ambiente e de valorização do trabalho humano. 

Ao apreciar o Tema 304 da Repercussão Geral, o Plenário, por maioria e em conclusão de julgamento, deu provimento ao recurso extraordinário, reconhecendo a inconstitucionalidade do art. 47 da Lei 11.196/2005 e, por arrastamento, do art. 48 do mesmo diploma normativo , nos termos do voto do Ministro Gilmar Mendes. 

Ficaram vencidos o ministro Alexandre de Moraes e, parcialmente, o ministra Rosa Weber (relatora) e os ministros Marco Aurélio e Dias Toffoli. 

Quer conversar conosco sobre as decisões do STF sobre a legislação e seu impactos nas decisões estratégicas em Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho? Deixe-nos sua mensagem. Teremos muito prazer em conversar com você

Por: Thiago Victor Sarmento OAB/MG 205.647

REFERÊNCIA

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Plenário Virtual). INFORMATIVO 1020. RECURSO EXTRAORDINÁRIO 607109/PR – PARANÁ. Relator: MIN. ROSA WEBER, Redator do acórdão: MIN. GILMAR MENDES, divulgado em 11/06/2021 Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=6079259. Acesso em: 22 jun. 2021.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Solicite seu Calendário das Obrigações Ambientais

Preencha o formulário abaixo com seus dados e receba o calendário solicitado em seu endereço de e-mail.

    Possui ou busca qual(s) certificação(s)?
    Cargo/função na empresa
    Você deseja receber o Calendário de qual estado?

    Alagoas será enviado
    Bahia será enviado
    Ceará será enviado
    Espírito Santo será enviado
    Goiás será enviado
    Maranhão será enviado
    Mato Grosso será enviado
    Minas Gerais será enviado
    Pará será enviado
    Paraíba será enviado
    Pernambuco será enviado
    Rio de Janeiro será enviado
    Rio Grande do Norte será enviado
    Rio Grande do Sul será enviado
    Rondônia será enviado
    São Paulo será enviado
    Tocantins será enviado

    ×

    Tudo bem?

    Clique no Profissional abaixo para conversar conosco.

    ×